Aula 04 – Órbitas

Quando um número grande de aeronaves se aproxima de um mesmo aeródromo pode haver a necessidade de se efetuarem órbitas. Uma órbita é uma trajetória com formato semelhante ao de uma pista de Fórmula Indy. Constitui-se das seguintes partes:

 

Cada uma dessas etapas dura 1 minuto. As curvas devem ser efetuadas à razão constante de 3 graus/seg. As órbitas padrão são para a direita, mas existem órbitas com curvas para a esquerda. Na órbita padrão deveremos fazer o seguinte:

Ao bloquear o fixo, fazer curva para a DIREITA, para a proa da perna de afastamento. Manter uma razão constante de 3 graus/seg. durante a curva.  Ao finalizar a curva você notará o ponteiro do ADF quase na  MR de 090. Ao passar pela MR de 090 dispare o cronômetro. Você está agora na perna de afastamento.  Após 1 minuto faça nova curva para a direita, de modo que ao terminá-la você esteja no QDM da perna de aproximação. Caso você tenha esquecido de cronometrar (o que acontece freqüentemente!) inicie a curva quando a sua MR for de 150 graus. Veja a figura na página seguinte. Caso a órbita seja não-padrão você deverá aguardar a MR=270 para acionar o cronômetro e MR=210 para iniciar a curva para a perna de aproximação. Veja a figura mostrando uma órbita padrão.

 

Tenha em mente que o vento pode lhe desviar da correta trajetória da órbita, e você deverá fazer as correções necessárias, inclusive aumentar ou reduzir a razão de curva conforme seja a direção e intensidade do vento no nível da órbita.. Para entrarmos na órbita deveremos efetuar o tipo de entrada que esteja de acordo com o setor em que  estamos nos aproximando. Veja a divisão de setores para as órbitas padrão e não-padrão.

Órbita Padrão Órbita Não-Padrão

 

Veja agora a descrição de cada um dos  procedimentos para entrada nas órbitas padrão e não-padrão.

SETOR 1- Entrada Paralela:

Órbita Padrão: Ao bloquear o fixo, no nosso caso um NDB, (mas poderia ser um VOR ou uma interseção de radiais) faça curva para uma proa igual ao rumo da perna de afastamento. Dispare o cronômetro. Após 1 minuto faça curva a ESQUERDA para aproar o fixo. Após o rebloqueio do fixo efetue a órbita normalmente.

Órbita Padrão Órbita Não-Padrão

 

Órbita Não-Padrão: Ao bloquear o fixo faça curva para uma proa igual ao rumo da perna de afastamento. Dispare o cronômetro. Após 1 minuto faça curva a DIREITA para aproar o fixo. Após o rebloqueio do fixo efetue a órbita normalmente.

SETOR 2 – Entrada DESLOCADA:

Órbita Padrão: Ao bloquear o fixo faça curva para uma proa 30 graus MENOR que o rumo  da perna de afastamento. Dispare o cronômetro. Após 1 minuto faça curva a DIREITA de tal modo que você  a termine no QDM da perna de aproximação.

Órbita Não-Padrão: Ao bloquear o fixo faça curva para uma proa 30 graus MAIOR que o rumo da perna de afastamento. Dispare o cronômetro. Após 1 minuto faça curva a ESQUERDA de tal modo que você  a termine no QDM da perna de aproximação

Órbita Padrão Órbita Não-Padrão

 

SETOR 3 – Entrada DIRETA:

Órbita Padrão: Ao bloquear o fixo faça curva para proa do rumo da perna de afastamento. Após 1 minuto faça curva à DIREITA para aproximar no QDM da perna de aproximação.

Órbita Não-Padrão: Ao bloquear o fixo faça curva para proa do rumo da perna de afastamento. Após 1 minuto faça curva à ESQUERDA para aproximar no QDM da perna de aproximação.

NOTA : Quando são previstas órbitas de espera à níveis de vôo muito elevados, as pernas de afastamento e de aproximação, são estabelecidas com 1 minuto e 30 segundos, para compensar as indicações flutuantes do bloqueio dos NDB, devido ao crescimento do cone sobre a antena.